Ônibus da discórdia

Em meio à polêmica em torno da tarifa de transporte coletivo em Cuiabá, depois que a Justiça mandou o Palácio Alencastro suspender o aumento (de R$ 2,30 para R$ 2,50), o prefeito Chico Galindo (PTB) e o secretário de Transportes Urbanos, vereador licenciado Edivá Alves (PSDB), ao que parece, tomaram “chá de sumiço”. Eles não …

19/11/2010 07:48



Em meio à polêmica em torno da tarifa de transporte coletivo em Cuiabá, depois que a Justiça mandou o Palácio Alencastro suspender o aumento (de R$ 2,30 para R$ 2,50), o prefeito Chico Galindo (PTB) e o secretário de Transportes Urbanos, vereador licenciado Edivá Alves (PSDB), ao que parece, tomaram “chá de sumiço”. Eles não atendem ao celular e as informações, em seus respectivos gabinetes, são de que estão “em reunião”.

Na verdade, o prefeito e o secretário estariam, isto sim, articulando nos bastidores no sentido de encontrar uma saída jurídica para retomar o reajuste da tarifa de ônibus coletivo. De quebra, deixariam satisfeitos os donos de empresas, que são potenciais doadores de fundos para campanha eleitorais.