Dólar fecha com a sexta queda seguida, a R$ 1,682

O dólar fechou em queda pela sexta sessão consecutiva nesta segunda-feira, refletindo ingressos de recursos de investidores em busca de rentabilidade elevada. A moeda americana caiu 0,30%, a R$ 1,682 na venda, na mínima desde 5 de novembro. Com a baixa desta sessão, a divisa já acumula recuo de 2,7% desde o dia 26 de …

06/12/2010 18:39



O dólar fechou em queda pela sexta sessão consecutiva nesta segunda-feira, refletindo ingressos de recursos de investidores em busca de rentabilidade elevada. A moeda americana caiu 0,30%, a R$ 1,682 na venda, na mínima desde 5 de novembro. Com a baixa desta sessão, a divisa já acumula recuo de 2,7% desde o dia 26 de novembro.

 “É difícil o dólar subir quando você tem perspectivas de o FED (Federal Reserve, banco central dos EUA) soltar mais dinheiro”, disse Moacir Marcos Junior, operador de câmbio da Interbolsa do Brasil.

 O profissional se referia à fala do chairman do FED, Ben Bernanke. Em entrevista a uma rede de TV no domingo, Bernanke disse que o FED pode comprar mais do que US$ 600 bilhões em Treasuries caso a economia americana não responda aos estímulos de maneira satisfatória.

 “E os investidores estão em busca de rentabilidade elevada. Com a combinação de taxa de juros alta e estabilidade que temos, o Brasil é o destino dessas aplicações”, completou.

 A Selic esta atualmente em 10,75% ao ano, e o mercado aposta no início de um novo ciclo de aperto monetário já no começo de 2011, de acordo com pesquisa da Reuters.

 As operações domésticas pouco foram influenciadas pelo movimento externo, com o dólar subindo ante uma cesta de divisas. O movimento era favorecido pela queda do euro, ainda por preocupações com uma crise no continente.

 José Carlos Amado, operador de câmbio da corretora Renascença, lembrou ainda que o mercado de câmbio doméstico como um todo está bastante “pesado” (vendido), o que tem sustentado o viés de baixa do dólar.

 Segundo dados mais recentes da BM&FBovespa, os investidores estrangeiros mantiveram na sexta-feira quase US$ 11 bilhões em exposição vendida em moeda americana.

 “A agenda também esta fraca. Enquanto você não tiver indicadores de peso para mexer com o dólar, ele vai operar com variações mais discretas”, afirmou o operador.

 Do lado domestico, o governo informou que a balança comercial brasileira abriu dezembro com um superávit de US$ 580 milhões na primeira semana do mês, levando o saldo positivo acumulado no ano a US$ 15,513 bilhões.