Governo convoca sete ministérios para combater a dengue

Uma das primeiras providências da presidente Dilma Rousseff na saúde será uma ação conjunta entre várias áreas do governo para combater a dengue, que, em 2010, registrou número recorde de casos e mortes e ameaça causar surtos de infecção em pelo menos dez Estados neste verão. O plano deve ser anunciado na tarde desta terça-feira …

11/01/2011 11:00



Uma das primeiras providências da presidente Dilma Rousseff na saúde será uma ação conjunta entre várias áreas do governo para combater a dengue, que, em 2010, registrou número recorde de casos e mortes e ameaça causar surtos de infecção em pelo menos dez Estados neste verão.
O plano deve ser anunciado na tarde desta terça-feira (11) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e deve envolver pelo menos outros seis ministérios. Ainda na manhã de hoje, Dilma e o titular da Casa Civil, Antonio Palocci, que coordena as ações do governo, convocaram uma reunião conjunta entre várias pastas para articular o início do plano.
Além de Padilha e Palocci, compareceram os ministros Fernando Haddad (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça), Nelson Jobim (Defesa), Mário Negromonte (Cidades), Pedro Novais (Turismo) e Helena Chagas (Comunicação Social).  Nenhuma informação sobre as ações foram divulgadas pela Presidência ou ministérios.
No dia da posse presidencial, há 11 dias, Padilha disse  que a dengue seria uma das prioridades da presidente no início de governo. O anúncio ocorre em meio à temporada de chuvas de janeiro, que facilita a proliferação do Aedes aegypti e provoca surtos de infecção em várias partes do país. Além disso, levantamento divulgado pela Saúde em novembro revelou que dez estados correm o risco de enfrentar uma epidemia de dengue neste verão.
– A presidente eleita me pediu uma dedicação especial neste começo de governo para as ações de combate a dengue, de mobilização da sociedade, dos municípios, prefeitos e governadores.
A articulação entre várias pastas para combater a dengue é um pedido antigo de vários especialistas no assunto, já que os problemas que levam à proliferação do mosquito não são de responsabilidade exclusiva da Saúde, como a coleta de lixo, distribuição de água, ocupação urbana, dentre outras questões.

Uma das primeiras providências da presidente Dilma Rousseff na saúde será uma ação conjunta entre várias áreas do governo para combater a dengue, que, em 2010, registrou número recorde de casos e mortes e ameaça causar surtos de infecção em pelo menos dez Estados neste verão.
O plano deve ser anunciado na tarde desta terça-feira (11) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e deve envolver pelo menos outros seis ministérios. Ainda na manhã de hoje, Dilma e o titular da Casa Civil, Antonio Palocci, que coordena as ações do governo, convocaram uma reunião conjunta entre várias pastas para articular o início do plano.
Além de Padilha e Palocci, compareceram os ministros Fernando Haddad (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça), Nelson Jobim (Defesa), Mário Negromonte (Cidades), Pedro Novais (Turismo) e Helena Chagas (Comunicação Social).  Nenhuma informação sobre as ações foram divulgadas pela Presidência ou ministérios.
No dia da posse presidencial, há 11 dias, Padilha disse ao R7 que a dengue seria uma das prioridades da presidente no início de governo. O anúncio ocorre em meio à temporada de chuvas de janeiro, que facilita a proliferação do Aedes aegypti e provoca surtos de infecção em várias partes do país. Além disso, levantamento divulgado pela Saúde em novembro revelou que dez estados correm o risco de enfrentar uma epidemia de dengue neste verão.
– A presidente eleita me pediu uma dedicação especial neste começo de governo para as ações de combate a dengue, de mobilização da sociedade, dos municípios, prefeitos e governadores.
A articulação entre várias pastas para combater a dengue é um pedido antigo de vários especialistas no assunto, já que os problemas que levam à proliferação do mosquito não são de responsabilidade exclusiva da Saúde, como a coleta de lixo, distribuição de água, ocupação urbana, dentre outras questões.