Internet móvel supera a banda larga fixa no País

O perfil do cliente de internet no Brasil mudou em 2010, quando o número de acessos à banda larga móvel superou em 51,5% os acessos à banda larga fixa. Segundo levantamento feito pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), o País fechou 2010 com 34,2 milhões de acessos, sendo 13,6 milhões fixos e 20,6 milhões móveis. …

14/01/2011 10:13



O perfil do cliente de internet no Brasil mudou em 2010, quando o número de acessos à banda larga móvel superou em 51,5% os acessos à banda larga fixa. Segundo levantamento feito pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), o País fechou 2010 com 34,2 milhões de acessos, sendo 13,6 milhões fixos e 20,6 milhões móveis.
A taxa de crescimento da banda larga foi de 71% no ano passado. A internet fixa foi quem menos contribuiu para esse incremento: subiu de 11,4 milhões para 13,6 milhões em 12 meses, o que representa elevação de 20%.
Entre os acessos móveis, o crescimento mais vistoso foi o de internet 3G por meio de smartphones: 257% no ano, passando de 4 milhões em dezembro de 2009 para 14,6 milhões no mês passado. Em 12 meses, a venda de modems 3G cresceu 31%, chegando à marca de 6 milhões de acessos em dezembro de 2010. A velocidade média da conexão no País, constatada pela Telebrasil, é de 1,3 Mbps.
O número de acessos à banda larga não corresponde ao total de pessoas que se conectam, já que uma pessoa pode ter mais de um acesso, assim como um acesso pode atender mais de uma pessoa.
Com o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), o governo quer levar internet barata, a R$ 35 ou menos, para 1.163 municípios ainda em 2011. Essa estimativa de preço é para uma conexão de 512 kbps, quase a metade da média atual nacional.
O presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid), Percival Henriques, encara o crescimento da banda larga como natural, mas vê algumas distorções nos dados. Primeiro, ele afirma que há mais conexões fixas que o levantamento aponta, sobretudo em pequenas cidades onde as estatísticas oficiais não são exatas. Nesses mesmos lugares, a velocidade costuma ser pior, por isso a média nacional deve ser menor.

O perfil do cliente de internet no Brasil mudou em 2010, quando o número de acessos à banda larga móvel superou em 51,5% os acessos à banda larga fixa. Segundo levantamento feito pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), o País fechou 2010 com 34,2 milhões de acessos, sendo 13,6 milhões fixos e 20,6 milhões móveis.A taxa de crescimento da banda larga foi de 71% no ano passado. A internet fixa foi quem menos contribuiu para esse incremento: subiu de 11,4 milhões para 13,6 milhões em 12 meses, o que representa elevação de 20%.
Entre os acessos móveis, o crescimento mais vistoso foi o de internet 3G por meio de smartphones: 257% no ano, passando de 4 milhões em dezembro de 2009 para 14,6 milhões no mês passado. Em 12 meses, a venda de modems 3G cresceu 31%, chegando à marca de 6 milhões de acessos em dezembro de 2010. A velocidade média da conexão no País, constatada pela Telebrasil, é de 1,3 Mbps.
O número de acessos à banda larga não corresponde ao total de pessoas que se conectam, já que uma pessoa pode ter mais de um acesso, assim como um acesso pode atender mais de uma pessoa.
Com o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), o governo quer levar internet barata, a R$ 35 ou menos, para 1.163 municípios ainda em 2011. Essa estimativa de preço é para uma conexão de 512 kbps, quase a metade da média atual nacional.
O presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid), Percival Henriques, encara o crescimento da banda larga como natural, mas vê algumas distorções nos dados. Primeiro, ele afirma que há mais conexões fixas que o levantamento aponta, sobretudo em pequenas cidades onde as estatísticas oficiais não são exatas. Nesses mesmos lugares, a velocidade costuma ser pior, por isso a média nacional deve ser menor.