Estado terá que arcar com R$ 38 mi para assumir PAC

O Governo terá que arcar com até R$ 38 milhões para assumir alguns lotes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) de Cuiabá e Várzea Grande, devido à falta de aporte financeiro por parte das prefeituras. “Estamos prontos para achar uma alternativa, para não perdermos os recursos do PAC”, declarou o governador Silval Barbosa (PMDB). …

19/01/2011 09:08



O Governo terá que arcar com até R$ 38 milhões para assumir alguns lotes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) de Cuiabá e Várzea Grande, devido à falta de aporte financeiro por parte das prefeituras. “Estamos prontos para achar uma alternativa, para não perdermos os recursos do PAC”, declarou o governador Silval Barbosa (PMDB).

O Estado deve investir algo entre R$ 15 milhões a R$ 20 milhões junto a três lotes dos oitos de Cuiabá e entre R$ 15 milhões a R$ 18 milhões com todos os lotes de Várzea Grande, num total de  três. Esse recurso servirá para ajustar os valores das obras e garantir o volume de contrapartida das prefeituras.

Silval disse que as conversas estão adiantadas, destacando que uma equipe do Governo estuda a viabilidade para o Estado executar parte das obras. “Se tiver esse entendimento dos prefeitos, estamos com as Secretarias de Cidade e de Transportes, além da Procuradoria Geral do Estado, estudando uma possibilidade de o Estado fazer a execução desses projetos”, explicou.

O governador ainda destacou que as obras do PAC são importantes e que os recursos financeiros conquistados junto ao Governo Federal não podem deixar de ser investidos nas cidades. “Se lutamos tanto para trazer o PAC, agora que tem os recursos, precisamos ver o que falta, adequar tudo isso e tocar essas obras”, ressaltou.

Silval Barbosa revelou que conversou com os prefeitos Chico Galindo (PTB) e Murilo Domingos (PR), respectivamente, de Cuiabá e Várzea Grande, e garantiu que o Governo está pronto para assumir as obras. “O que tocarem para o Governo para ajudar e dar continuidade as obras, estamos prontos”, destacou.

As obras do PAC em Cuiabá e Várzea Grande foram lançadas em 2007, iniciadas em 2008, porém foram paralisadas em agosto de 2009, quando foi deflagrada pela Polícia Federal, a Operação Pacenas.

A ação desmontou um suposto esquema que fraudava os processos licitatórios, porém o processo foi arquivado em outubro de 2010, por ordem do Tribunal Regional Federal (TRF), por falhas no andamento do processo.