Nova York sofre pior nevasca da história

Nova York enfrentou nesta quinta-feira a tempestade de neve mais forte já registrada na cidade, que deixou as ruas cobertas com espessas camadas de gelo, causou diversos transtornos aos cidadãos e forçou a suspensão de serviços públicos. “Estamos no janeiro com maior quantidade de neve jamais registrada na cidade. Supera inclusive o recorde de 1925. …

28/01/2011 11:47



Nova York enfrentou nesta quinta-feira a tempestade de neve mais forte já registrada na cidade, que deixou as ruas cobertas com espessas camadas de gelo, causou diversos transtornos aos cidadãos e forçou a suspensão de serviços públicos.
“Estamos no janeiro com maior quantidade de neve jamais registrada na cidade. Supera inclusive o recorde de 1925. A neve acumulada hoje é maior que o dobro da qual tínhamos previsto”, declarou o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, durante entrevista coletiva em que decretou, pela segunda vez nesta temporada, estado de emergência meteorológica.
O epicentro da nevasca atingiu Manhattan, onde o famoso Central Park acumulou nesta quinta-feira a maior quantidade de neve de toda a região nordeste do país.
Durante a noite de quarta-feira e a madrugada de quinta, caíram no parque central da cidade 48 centímetros de neve, apenas dois a menos que na monumental nevasca de 26 de dezembro passado, quando a cidade passou por inúmeros transtornos e centenas de ambulâncias e veículos de emergências ficaram soterrados pela neve nas ruas, o que suscitou fortes críticas à gestão do prefeito Bloomberg.
Esta “tempestade de inverno” – termo pelo qual se conhece a acumulação de diferentes tipos de precipitações com baixas temperaturas – bateu o recorde de intensidade, que antes era de uma registrada 140 anos atrás, e forçou a suspensão das atividades em tribunais, órgãos públicos e até na sede da ONU.
Após uma noite de trovões, relâmpagos, chuva, neve, granizo e fortes ventos, os nova-iorquinos acordaram nesta quinta-feira com uma paisagem de ruas intransitáveis. Milhares de trabalhadores tentavam retirar as espessas camadas de neve do cenário urbano.
“Não consigo parar de fotografar. Nunca tinha visto tanta neve sobre os galhos desfolhados das árvores de Manhattan. Além disso, é divertido ver os malabarismos que as pessoas fazem para se locomover”, disse à Agência Efe o funcionário Carlos Suárez, que trabalha na manutenção de um arranha-céu da ilha nova-iorquina.
Este inverno já está entre os dez mais nevosos da história de Nova York, e isso que ainda restam dois meses até o fim da estação, segundo dados do “Weather Channel”.
Quem sofreu muito transtorno nesta manhã foram os passageiros com voos marcados nos aeroportos da cidade. O aeroporto Newark registrou 48 centímetros de neve, o LaGuardia constatou 44 centímetros e o JFK, 25 centímetros.
“Estou desesperada. Estou há meses planejando ir ao Quênia e justo hoje tinha que acontecer isso”, disse nesta quinta-feira à Efe a espanhola Lola Escribano, moradora de Nova York.

Nova York enfrentou nesta quinta-feira a tempestade de neve mais forte já registrada na cidade, que deixou as ruas cobertas com espessas camadas de gelo, causou diversos transtornos aos cidadãos e forçou a suspensão de serviços públicos.”Estamos no janeiro com maior quantidade de neve jamais registrada na cidade. Supera inclusive o recorde de 1925. A neve acumulada hoje é maior que o dobro da qual tínhamos previsto”, declarou o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, durante entrevista coletiva em que decretou, pela segunda vez nesta temporada, estado de emergência meteorológica.O epicentro da nevasca atingiu Manhattan, onde o famoso Central Park acumulou nesta quinta-feira a maior quantidade de neve de toda a região nordeste do país.Durante a noite de quarta-feira e a madrugada de quinta, caíram no parque central da cidade 48 centímetros de neve, apenas dois a menos que na monumental nevasca de 26 de dezembro passado, quando a cidade passou por inúmeros transtornos e centenas de ambulâncias e veículos de emergências ficaram soterrados pela neve nas ruas, o que suscitou fortes críticas à gestão do prefeito Bloomberg.Esta “tempestade de inverno” – termo pelo qual se conhece a acumulação de diferentes tipos de precipitações com baixas temperaturas – bateu o recorde de intensidade, que antes era de uma registrada 140 anos atrás, e forçou a suspensão das atividades em tribunais, órgãos públicos e até na sede da ONU.Após uma noite de trovões, relâmpagos, chuva, neve, granizo e fortes ventos, os nova-iorquinos acordaram nesta quinta-feira com uma paisagem de ruas intransitáveis. Milhares de trabalhadores tentavam retirar as espessas camadas de neve do cenário urbano.”Não consigo parar de fotografar. Nunca tinha visto tanta neve sobre os galhos desfolhados das árvores de Manhattan. Além disso, é divertido ver os malabarismos que as pessoas fazem para se locomover”, disse à Agência Efe o funcionário Carlos Suárez, que trabalha na manutenção de um arranha-céu da ilha nova-iorquina.Este inverno já está entre os dez mais nevosos da história de Nova York, e isso que ainda restam dois meses até o fim da estação, segundo dados do “Weather Channel”.Quem sofreu muito transtorno nesta manhã foram os passageiros com voos marcados nos aeroportos da cidade. O aeroporto Newark registrou 48 centímetros de neve, o LaGuardia constatou 44 centímetros e o JFK, 25 centímetros.”Estou desesperada. Estou há meses planejando ir ao Quênia e justo hoje tinha que acontecer isso”, disse nesta quinta-feira à Efe a espanhola Lola Escribano, moradora de Nova York.