Escândalo abala mais uma vez gestão Murilo; Loro é alvo de denúncias

O escândalo do PAC volta a abalar a gestão Murilo Domingos (PR), prefeito de Várzea Grande. Uma testemunha que preferiu não se identificar afirmou em entrevista à TV Centro América, afiliada da Rede Globo, que o ex-presidente do DAE Dito Loro, que hoje comanda a Agência de Habitação, estaria envolvido no esquema, desarticulado durante a …

26/02/2011 09:30



O escândalo do PAC volta a abalar a gestão Murilo Domingos (PR), prefeito de Várzea Grande. Uma testemunha que preferiu não se identificar afirmou em entrevista à TV Centro América, afiliada da Rede Globo, que o ex-presidente do DAE Dito Loro, que hoje comanda a Agência de Habitação, estaria envolvido no esquema, desarticulado durante a Operação Pacenas, desencadeada pela Polícia Federal em agosto de 2009. A testemunha promete acionar o Ministério Público Federal contra Loro.  Na época, foram constatadas fraudes em licitações do PAC em Cuiabá e em Várzea Grande.

   As investigações iniciaram em 2007 na Superintendência de PF em Mato Grosso, por meio de denúncias do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Ministério Público da União e do Estado. Segundo a PF, a fraude se dava por meio de indução nos editais de cláusulas que direcionavam determinadas empresas por meio de cláusulas consideradas restritivas. Foram encontradas várias irregularidades em fiscalizações relatadas pelo TCU: falta de parcelamento do objeto, preços acima dos praticados no mercado, atestados técnicos que extrapolam a análise qualitativa entre outros.

   Conforme a testemunha entrevistada pela TVCA, tinha “estreitas ligações com os donos das construtoras”. Mesmo assim, ele sequer foi indiciado na época. Loro garante que, apesar de uma escuta feita pela PF, em que ele aparecia orientando Carlos Avalone sobre como agir para receber o dinheiro, não tem nada a ver com o esquema. “Como não constou que era para pagar o que estava feito, você entra com esse procedimento questionando o tribunal para se posicionar favorável a isso”, teria dito o então presidente do DAE a Avalone.