Assembleia Legislativa estuda gratuidade de passagens para os doentes renais crônicos

Se depender do líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado Nilson Santos, os portadores de doenças renais crônicas e pacientes de hemodiálise ficarão isentos do pagamento de passagens nas linhas intermunicipais do transporte coletivo, em Mato Grosso. A medida está no Projeto de Lei nº 87/2011, apresentado esta semana em Plenário. O parlamentar citou a …

28/03/2011 13:33



Se depender do líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado Nilson Santos, os portadores de doenças renais crônicas e pacientes de hemodiálise ficarão isentos do pagamento de passagens nas linhas intermunicipais do transporte coletivo, em Mato Grosso. A medida está no Projeto de Lei nº 87/2011, apresentado esta semana em Plenário.
O parlamentar citou a Sociedade Brasileira de Nefrologia como fonte de estudos que revelam um quadro ainda pouco animador para os doentes renais, no país. Segundo a entidade, doenças como diabetes e pressão alta – que, se tratadas corretamente, via de regra não oferecem riscos para a maioria das pessoas – podem ocasionar a falência total do funcionamento renal.

“Outras doenças que são diagnosticadas tardiamente também podem deixar os rins totalmente debilitados, ocorrendo neste caso o encaminhamento do paciente para a hemodiálise. Na maioria dos casos, o tratamento acaba sendo feito para o resto da vida, caso não haja a possibilidade de se fazer o transplante”, explicou Nilson Santos.

No mundo cerca de 500 milhões de pessoas sofrem de problemas renais e cerca de um milhão e meio delas estão em hemodiálise ou em transplante renal. As estatísticas mostram ainda que uma em cada dez pessoas no mundo sofre de doença renal crônica. Pacientes com esse tipo de doença tem 10 vezes mais riscos de morte prematura por doenças cardiovasculares.

A estimativa é de que cerca de 12 milhões de pessoas no mundo morrem por ano de doenças do coração relacionadas a problemas renais crônicos. No Brasil, esse número é crescente e já o tornou maior mercado de hemodiálise do mundo. Aqui a doença atinge dois milhões de pessoas.

Mais informações:
Secretaria de Comunicação da AL
3313-6310 /6283
Data: 28/03/2011