Imposto de renda cobrado a mais será devolvido em 2012

O Imposto de Renda recolhido a mais nos três primeiros meses deste ano será devolvido aos contribuintes em 2012, disse nesta segunda-feira (28) o subsecretário de Tributação da Receita Federal, Sandro Serpa. Segundo ele, os valores descontados a mais antes da correção da tabela em 4,5% serão compensados na declaração de ajuste de 2011, que …

28/03/2011 23:04



O Imposto de Renda recolhido a mais nos três primeiros meses deste ano será devolvido aos contribuintes em 2012, disse nesta segunda-feira (28) o subsecretário de Tributação da Receita Federal, Sandro Serpa. Segundo ele, os valores descontados a mais antes da correção da tabela em 4,5% serão compensados na declaração de ajuste de 2011, que será entregue no ano que vem.

Medida provisória publicada nesta segunda-feira (28) no Diário Oficial da União corrigiu as tabelas do Imposto de Renda em 4,5% para os anos de 2011 a 2014. A faixa de isenção passou para R$ 1.566,61 em 2011, R$ 1.637,11 em 2012, R$ 1.710,78 em 2013 e R$ 1.787,77 em 2014.

Como a correção do Imposto de Renda só valerá a partir de abril, o imposto retido de janeiro a março seguiu a tabela antiga, cujo limite de isenção era de R$ 1.499,15. Segundo a Receita Federal, a devolução do imposto pago a mais ainda este ano seria impossível porque as empresas não teriam como refazer as declarações de Imposto de Renda Retido na Fonte.

 …De acordo com ele, o ajuste será automático e o contribuinte não precisará tomar providências para reaver o dinheiro.

– O que foi retido a mais em janeiro, fevereiro e março será compensado. A conta fechará e ninguém precisará tomar providência.

O subsecretário disse ainda que o percentual de 4,5% de correção pelos próximos três anos seguirá o centro da meta de inflação estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). Apesar de as metas para 2013 e 2014 ainda não terem sido fixadas, ele negou que a correção da tabela sirva de indicativo para a meta a ser definida pelo governo.

– Veremos o comportamento da economia nos próximos quatro anos. A inflação pode ficar acima ou abaixo da meta e, daqui até lá, os cálculos poderão ser refeitos, mas as novas metas de inflação estão fora da alçada da Receita.

fonte:  r7 Notícias