Mercado de milho segue aquecido

Em São Paulo, o preço é de R$ 30, em alta de 50%, enquanto em Goiás, as cotações atingiram R$ 27 nesta semana, subindo 58% em doze meses. As altas das cotações refletem os baixos níveis dos estoques norte-americanos, que se encontram nos menores patamares de 16 anos. Em 25 de março os estoques dos …

31/03/2011 08:32



Em São Paulo, o preço é de R$ 30, em alta de 50%, enquanto em Goiás, as cotações atingiram R$ 27 nesta semana, subindo 58% em doze meses.

As altas das cotações refletem os baixos níveis dos estoques norte-americanos, que se encontram nos menores patamares de 16 anos. Em 25 de março os estoques dos Estados Unidos se situavam 17 milhões de toneladas. A média histórica para o período oscila entre 30 milhões e 40 milhões de toneladas.

“Além disso, a safra norte-americana de 2010 foi em menor volume que o esperado, somando 318 milhões de toneladas, em comparação com o período anterior, de 340 milhões de toneladas”, avalia Paulo Molinari, analista da empresa de consultoria Safras & Mercado.

Paralelo à queda da produção norte-americana há o aumento da demanda de milho pelos produtores de etanol, que somou 126 milhões de toneladas em 2010 em comparação com os 116 milhões de toneladas de 2009. Na avaliação do analista, a tendência é de que os preços se sustentem nos próximos meses, período em que no Brasil a safra de verão deve terminar de ser colhida e a safra de inverno começa a ser plantada.

É possível que a próxima safra dos Estados Unidos volte a crescer, uma vez que o relatório sobre intenção de plantio divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos(USDA) indica que a área de cultiva somará 92 milhões de acres, em comparação com os 88,2 milhões de 2010. Se o clima ajudar os Estados Unidos podem colher uma safra de 350 milhões de toneladas.

 fonte: Portal do Agronegocio