Bebê morre durante parto e mãe diz ser vítima de agressões verbais

Um bebê morreu durante o parto em Colniza, no último dia 25, sexta-feira passada,   por volta das 3  horas, no Hospital Municipal André Maggi. O parto mal sucedido era para ser normal, mas o bebê não sobreviveu. A  advogada Inaíta Arnold, que defende os interesses da mãe, pediu a abertura de um inquérito policial para …

01/04/2011 08:33



Um bebê morreu durante o parto em Colniza, no último dia 25, sexta-feira passada,   por volta das 3  horas, no Hospital Municipal André Maggi. O parto mal sucedido era para ser normal, mas o bebê não sobreviveu. A  advogada Inaíta Arnold, que defende os interesses da mãe, pediu a abertura de um inquérito policial para que seja apurada as causas da morte do bebê. Há ainda a  denuncia de que a mãe teria sofrido agressões verbais durante o parto. Josilene Vieira Rosa, 20 anos, a mãe do bebê, não quiz fazer comentários.

A advogada informou que ela está passando por uma fase psicológica cansativa, e por isso quer poupá-la de dar declarações pessoalmente. No relatório divulgado, a advogada disse que Josilene afirma ter sido vítima de um tratamento desumano pela equipe médica, chegando a ser chamada  de “doente mental”.  Uma enfermeira teria dito que “bateria nela se fosse sua filha”.

Outro fato relatado por Inaíta foi o da não permissão de acompanhamento por parte da mãe de Josilene na hora do parto, e do não atendimento no requerimento do prontuário médico feito pela advogada. Inaita  admitiu a possibilidade de apresentar denuncia do caso ao Ministério Público Estadual.

A secretária de Saúde de Colniza, Sônia Aparecida, disse por telefone que irá ser instaurado um inquérito administrativo para apurar o que aconteceu na sala de parto naquela madrugada.

A diretora do Hospital Municipal, Vanilda Pinheiro Almeida, disse que a direção tem um prazo para entrega do prontuário médico, e que o documento será também utilizado para a abertura do inquérito administrativo. Ela disse ainda  que o acompanhamento da gestante pela mãe  teria que ter feito durante o pré-natal, para ser possível a sua presença na sala de parto – o que segundo ela não foi feito pela mãe de Josilene.

A enfermeira chefe do hospital, Vaudici Machado, por sua vez, não se estendeu muito sobre a questão. Ela disse que quando foi solicitada na sala de parto já encontrou o médico responsável, o cirurgião geral Nilson Borges de Oliveira, tentando reanimar o bebê. O médico não quis falar sobre o assunto.

O diretor-clínico do Hospital André Maggi, médico Mário Nunes,  explicou que o processo para o parto natural estava em perfeito processo e dentro da normalidade. Ele classificou a morte do bebe como uma fatalidade.  “A morte da criança pode ter tido várias fatores, causado por um parto difícil” – disse. O médico contou ainda que, de acordo com o cirurgião que atuou no parto,  a gestante não teria colaborado  chegando a sentar já com o bebê encaixado para nascer.
O diretor-clínico afirma que ao constatar que o parto natural não aconteceria foi realizado a cirurgia cesariana, mas o bebê não sobreviveu. “Sinceramente eu não vejo erro médico” – comentou. Ele também afirmou que quanto existe a possibilidade, de fato, de a paciente ter sido chamada de “doente mental”, mas minimizou a citação atribuindo-a a situação de tensão vivida pela mãe e pela equipe, mas que nunca a equipe teria a intenção de catalogá-la como tal.

fonte: 24 HS News