Corante comum em laboratórios pode ser útil contra envelhecimento

A tioflavina T (ThT), corante amplamente utilizado para detectar proteínas danificadas pelo mal de Alzheimer, pode ajudar também a prevenir doenças e prolongar a vida. Um estudo do Instituto Buck de Pesquisas sobre o Envelhecimento, nos EUA, publicado pela revista “Nature”, conseguiu bons resultados com um tipo de vermes. Os testes foram feitos com animais …

01/04/2011 13:47



A tioflavina T (ThT), corante amplamente utilizado para detectar proteínas danificadas pelo mal de Alzheimer, pode ajudar também a prevenir doenças e prolongar a vida. Um estudo do Instituto Buck de Pesquisas sobre o Envelhecimento, nos EUA, publicado pela revista “Nature”, conseguiu bons resultados com um tipo de vermes.

Os testes foram feitos com animais do filo Nematoda – os nematelmintos –, ao qual pertencem, por exemplo, a lombriga e o oxiúro. O corante estendeu a expectativa em vermes saudáveis em mais de 50% e freou o desenvolvimento da doença nos vermes em que foram criados efeitos semelhantes aos do mal de Alzheimer.

A ThT funciona como um detector de doenças neurodegenerativas porque é capaz de ligar as placas amiloides – fragmentos tóxicos de proteínas agregadas, associados ao mal de Alzheimer. Nos nematelmintos, a substância se mostrou capaz não só de ligá-los, mas também de frear a formação desses fragmentos tóxicos.

“Passamos anos procurando compostos que freiem o envelhecimento em mais de dez anos e a ThT é a melhor que vimos até o momento”, afirmou o Dr. Gordon Lithgow, que liderou a pesquisa. “Mas ainda mais empolgante é a descoberta de que a ThT ajuda tão substancialmente no combate à doença nos modelos nematoides da doença”, completou.