Dia das Mães faz quintuplicar venda de flores

Um único dia capaz de significar o sucesso do trabalho de um ano inteiro: para produtores e vendedores de flores, o Dia das Mães é essa data. As centenas de famílias que vivem de negociar botões de rosa, de tulipas, de margaridas e de outras centenas de flores têm no segundo domingo de maio a …

07/05/2011 16:58



Um único dia capaz de significar o sucesso do trabalho de um ano inteiro: para produtores e vendedores de flores, o Dia das Mães é essa data. As centenas de famílias que vivem de negociar botões de rosa, de tulipas, de margaridas e de outras centenas de flores têm no segundo domingo de maio a melhor data para os negócios.

Nesta época, as vendas chegam a aumentar cinco vezes, como explica Eduardo Casarini, um dos donos do site Flores Online, especializado em entrega de flores e presentes. Para ele, cuja empresa deve entregar 12 mil arranjos só no próximo domingo (8), o movimento dos negócios nessa época só é equivalente ao do Dia dos Namorados e do Natal.

– Como vendemos flores acompanhadas de presentes, de chocolates a joias e pelúcias, o Natal é mais forte que o Dia das Mães em vendas gerais. Mas somente as flores vendem muito mais no Dia das Mães. Considerando o número de pedidos, nesta data as vendas aumentam em cinco vezes na comparação com um dia normal. O número de entregas para o [próximo] domingo cresce mais de 15 vezes.

Nas estimativas de Edison Alexandre, presidente do Sindiflores (Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo), os negócios devem crescer entre 14% e 20% na comparação com a mesma data do ano passado.

– Essa data é importante porque representa para o florista uma recomposição de caixa, porque janeiro e fevereiro são os meses mais fracos do ano em venda de flores. As floriculturas até operam no vermelho nessa época. Em março tem melhora por causa do Dia da Mulher, mas como neste ano ele caiu no final de semana, as vendas foram prejudicadas.

Cidade das Flores

O Veiling Holambra, uma cooperativa que reúne 400 produtores de flores da cidadezinha da região de Campinas (120 km de SP), deve colocar à disposição em torno de 62 mil carrinhos de flores e plantas no mercado. O faturamento deve ser 20% maior do que o visto em 2010.

– Como o comércio de uma forma geral está aquecido, isso deve significar um faturamento maior para o setor.

As flores de Holambra enfeitam quase metade das casas do país. Parte dos mais de 11 mil habitantes da chamada Cidade das Flores abastece 45% do mercado nacional de rosas, tulipas, orquídeas, girassóis entre muitos outros tipos de plantas ornamentais.

Na cidade de São Paulo, a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) é o primeiro local que vem à cabeça quando se fala em comércio de flores no atacado.

A expectativa da companhia é vender 2.000 t de flores na data, tanto para pequenos comerciantes quanto para os filhos que querem economizar na hora do presente. Em dias comuns, são vendidas cerca de 800 a 1.000 t.

Para quem aproveita a feira, os preços podem ser até três vezes menores do que os da floricultura. O maço com 30 botões de rosas nacionais sai a partir de R$ 20. Em lojas, o valor médio do mesmo buquê fica na casa dos R$ 60.

Flor e presente

No caso das vendas pela internet, o segredo não é a flor, mas o que vem junto com o arranjo. Casarini explica que o Dia das Mães chega a representar 15% do faturamento anual da Flores Online. Em 2010, o empresário diz que espera movimentar em torno de R$ 20 bilhões.

– Apesar de ser bonita e impressionar, a flor morre, é perecível. Então o complemento é um vaso bonito, é o bem-casado, é uma caixa bonitinha com doces. O chocolate também dá muito certo. Para este ano, vamos oferecer cestas com produtos de beleza e perfumes.

Para o presidente do Sindiflores, o presente é um complemento natural aos arranjos. Ele explica que há floriculturas que privilegiam a arte floral, vendendo produtos mais caros pela beleza. Mas muitas apostam em chocolates, pelúcias e outros.

– Dá para fazer as duas coisas. Se compram sapatos e agregam flores. Em vez de a mãe levar um presente, leva dois. Um bem durável mais as flores. Antes do boom de shoppings, as flores tinham quase o domínio total das vendas. Agora decaiu muito, mas no Dia das Mães ainda temos a segunda posição nas vendas.

Uma pesquisa da empresa de análise de crédito Serasa Experian mostrou que rosas, tulipas, orquídeas e outras são a medalha de prata na preferência dos filhos. De 100 consumidores ouvidos, 16 dizem que darão flores às mães.

O que acontece é que, para gostar de andar linda e bem arrumada, não precisa ser mãe, basta ser mulher – e aí não há flor que resista.

fonte: R7