Mutirão ortopédico do Cridac de colocação de próteses dos membros inferiores acontece de 13 a 17 de junho

12/06/2011 09:53



Buscando oferecer melhor qualidade de vida para população com problemas de locomoção a Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio do Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Correa (Cridac), realiza de 13 a 17 de junho a primeira etapa do mutirão ortopédico para pessoas que necessitam de próteses dos membros inferiores.

Para esta primeira fase o Cridac vai atender cerca de 140 usuários. De acordo com a gerente da Oficina Ortopédica do Cridac, Lilian Aparecida Fabris, no primeiro atendimento serão realizados procedimentos padrões para saber se o paciente já esta em condições de receber a prótese. “São tiradas as medidas e feitos exames para saber se o membro a receber a prótese está em condições físicas adequadas para a adaptação”, disse ela.

Segundo a diretora do Centro de Reabilitação, Lúcia Provenzano, o atendimento desses 140 usuários tem como objetivo diminuir a fila dos pacientes com processos para aquisição de próteses ortopédicas dos membros inferiores. “Para o atendimento desses 140 pacientes é necessário frisar que o atendimento não é feito de forma aleatória, uma vez que todos os pacientes já estavam devidamente cadastrados no Cridac e aguardavam atendimento, e para agilizar esse processo promovemos esse mutirão como forma de acelerar a inserção e melhoria da qualidade de vida desse usuário”, disse ela

Os pacientes desta primeira etapa, após a tirada das medidas necessárias para confecção das próteses ortopédicas, deverão voltar em um segundo momento para fazer o teste de encaixe e posterior recebimento das mesmas. “Após o recebimento das próteses os pacientes serão encaminhados para reabilitação com o objetivo de orientar quanto a forma correta de tirar e colocar as próteses, de fazer o treino de marcha em diversos ambientes [rampas, escadas, terrenos irregulares e uso de transporte coletivo], visando diminuir ao máximo os acidentes por quedas, garantindo segurança no trato dos afazeres do dia a dia”, salientou Lúcia Provenzano.

FLUXO – A gerente da Oficina Ortopédica, Lilian Aparecida Fabris, explicou que os pacientes, devidamente encaminhados pelos médicos, chegam ao Cridac recém operados e são direcionados para a Fisioterapia, onde começam um programa que inclui a adaptação da sensibilidade do local operado, visando a posterior protetização. “Os pacientes para adquirir as próteses devem ser encaminhados para a reabilitação e aquisição das próteses o mais cedo possível de forma a promover a reinserção dos usuários à sociedade. Todos os pacientes amputados são orientados para realização da fisioterapia onde será trabalhado não só a região amputada, mas o paciente como um todo”, disse Lilian.

O processo inicial de reabilitação começa no Cridac e posteriormente encaminhado com todas as orientações devidas para continuidade do tratamento às Unidades Descentralizadas de Reabilitação (Municipais) – UDRs mais próximo de sua residência. Todo processo, desde a medida até a entrega das próteses, dura aproximadamente 60 dias.

Fonte:Secom/MT




Tags: