Inadimplência cai 10% em junho em relação a maio

O número de consumidores inadimplentes (com dívidas com atrasos superiores a 90 dias) caiu 10,09% em junho na comparação com maio deste ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). Já em comparação com o mesmo mês do ano passado, o número de registros junto ao Serviço de Proteção ao …

06/07/2011 13:09



O número de consumidores inadimplentes (com dívidas com atrasos superiores a 90 dias) caiu 10,09% em junho na comparação com maio deste ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). Já em comparação com o mesmo mês do ano passado, o número de registros junto ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) subiu 6,9%. No acumulado do ano (de janeiro a junho), a alta no número de inadimplentes foi de 4,25% em comparação ao mesmo período de 2010.

Para o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Júnior, apesar da queda em junho perante maio, o número de inadimplentes ainda é grande. “Inadimplência continua preocupando. Apesar do aumento da recuperação de crédito, ainda é um número bastante alto. Isso vai gerando estoque de endividamento, é preocupante. Há um aumento de vendas, mas gera estoque. Os carnês vão ficando para trás e as pessoas ficam com aquele compromisso sem pagar e vai tirando consumidores do mercado”, disse.

O número de cancelamentos de registros junto ao SPC (pessoas que pagaram suas dívidas) apresentou alta de 0,41% em junho na comparação com maio de 2011. Em relação a junho de 2010, houve um aumento de 4,25% na quantidade de devedores que quitaram seus débitos. Nos primeiros seis meses do ano, a alta foi de 5,85% em comparação ao mesmo período de 2010.

A CNDL afirma que o aumento da renda das famílias e a melhora no nível do emprego têm ajudado mais pessoas a pagar suas dívidas. Outro fator é a injeção de novos recursos na economia com o pagamento da restituição do imposto de renda que, segundo a Confederação, é usado por muitos consumidores para pagar dívidas.

Para Pellizzaro, o mercado interno continua aquecido e deve ficar assim pelos próximos meses. “O varejo não sofreu impacto com medidas as macroprudenciais e o pessoal está pagando mais juros. A demanda reprimida dessas classes sociais que estão subindo é grande demais e as pessoas quando têm desejos, não reprimem. Isso só vai parar a hora que aqueles desejos reprimidos tenderem a resfriar. Se não, continuará aquecido’, afirmou.

Como limpar seu nome

Para retirar o nome do cadastro, o devedor precisa procurar uma agência do SPC pessoalmente portando carteira de identidade e CPF. Após a quitação do débito, o lojista tem 24h, a partir da data da confirmação do pagamento, para solicitar a baixa junto ao cadastro do SPC. Quem tem nome sujo não pode fazer compras a prazo, ser avalista nem consegue financiamento em bancos. O devedor é informado via correio do débito pendente e tem 10 dias para pagar a dívida. Caso contrário, o nome é incluído no cadastro de inadimplentes do SPC.

Fonte:JB