Látex extraído da flor dente-de-leão possibilita um novo tipo de pneu

Cientistas da Universidade de Müster, na Alemanha, desenvolvem um látex extraído da flor dente-de-leão que poderá substituir o uso da seiva da seringueira. Os bioquímicos da universidade descobriram uma nova propriedade para a dente-de-leão. Por meio dela identificaram a enzima responsável pela rápida coagulação do látex e, inibindo sua ação, foram capazes de fazer com …

15/07/2011 10:13



Cientistas da Universidade de Müster, na Alemanha, desenvolvem um látex extraído da flor dente-de-leão que poderá substituir o uso da seiva da seringueira.

Os bioquímicos da universidade descobriram uma nova propriedade para a dente-de-leão. Por meio dela identificaram a enzima responsável pela rápida coagulação do látex e, inibindo sua ação, foram capazes de fazer com que a seiva escorra livremente para ser extraída da planta. Segundo a pesquisa, o látex da planta medicinal tem a mesma qualidade oferecida pela seiva da seringueira.

Esse látex extraído da flor, já começou a ser testado em pneus da empresa Continental. O pneu continua preto, mas os fabricantes passaram a chamá-lo de verde, devido à redução de impactos ambientais.

Pneu ecológico para eles deixa de ser somente aquele que ajuda a reduzir o consumo de combustível do carro. Agora, a indústria de pneumáticos investe também em matérias-primas alternativas à borracha.

Vantagens

Entre as vantagens da flor dente-de-leão está o cultivo sustentável. Pois a seiva da seringueira, extraída principalmente no sudeste da Ásia, tem uma procura maior do que a sua oferta, o que reflete nos custos de produção. Além disso, a seringueira está ameaçada pela contaminação de fungos.

Outra vantagem é que a flor dente-de-leão fica pronta para a colheita em um ano, enquanto que a seringueira leva de cinco a sete anos para estar pronta.

fonte: Eco Desenvolvimento