Brexit – Perdas bilionárias e Reino Unido é rebaixado na S&P

Brexit provoca perdas de US$ 130 bi em Bolsa de Londres em 2 dias. Decisão do Reino Unido provoca incerteza política e econômica e ganha baixa na S&P A agência de classificação de risco Standard & Poor’s cortou nesta segunda-feira a nota soberana do Reino Unido em dois degraus, para “AA” ante “AAA”, e alertou que …

27/06/2016 16:30



Brexit provoca perdas de US$ 130 bi em Bolsa de Londres em 2 dias. Decisão do Reino Unido provoca incerteza política e econômica e ganha baixa na S&P

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s cortou nesta segunda-feira a nota soberana do Reino Unido em dois degraus, para “AA” ante “AAA”, e alertou que pode reduzi-la ainda mais após os britânicos votarem pela saída da União Europeia (UE) na semana passada.

“A perspectiva negativa reflete o risco às expectativas econômicas, ao desempenho fiscal e externo, e ao papel da libra como moeda de reserva, assim como riscos à integridade constitucional e econômica do Reino Unido caso haja outro referendo sobre a independência escocesa”, disse a S&P.

A S&P era a única das principais agências de classificação de risco que mantinha o rating AAA para o Reino Unido.

Corte da S&P

O principal índice acionário britânico, a S&P, ampliou as fortes perdas da sessão anterior nesta segunda-feira, conforme a votação favorável à saída do Reino Unido da União Europeia na semana passada provocou incerteza política e econômica, afetando bancos, construtoras e empresas aéreas.

Alguns investidores buscaram refúgio em empresas produtoras de ouro, consideradas ativo seguro, com a Fresnillo, que fechou em alta de 7 por cento após atingir máxima de três anos, e a Randgold Resources, que avançou 9 por cento.

O índice britânico FTSE 100 fechou com recuo de 2,55 por cento, levando a uma queda de 5,6 por cento em duas sessões e provocando perdas de quase 100 bilhões de libras (132 bilhões de dólares) desde o resultado do referendo na sexta-feira.

“Essas incertezas apresentam riscos significativos para o cenário de investimento”, disse o economista-chefe do GAM, Larry Hatheway.

 

Direto de Londres por Atul Prakash e Andy Bruce da Agência Reuters