Assalto no Ar – TAP inicia os serviços de cobrança no despache de bagagens

O que antes era de graça, agora abre margem para cálculo do prejuízo que a ANAC nos dá com nova ação das empresas onde, despachar mala pode custar ao bolso do passageiro até R$ 300,00 É possível calcular os prejuízos das decisões da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aos passageiros, enquanto beneficiam empresas aéreas, …

04/09/2017 04:21



O que antes era de graça, agora abre margem para cálculo do prejuízo que a ANAC nos dá com nova ação das empresas onde, despachar mala pode custar ao bolso do passageiro até R$ 300,00

É possível calcular os prejuízos das decisões da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aos passageiros, enquanto beneficiam empresas aéreas, ao menos no caso de cobrança por malas. A portuguesa TAP é a primeira estrangeira, com operações no Brasil, a cobrar pelo serviço. Uma mala de até 23 kg, que era transportada de graça, custa agora 45 euros (R$168) ao cliente, mas só se o passageiro pagar pela internet. Se deixar para o check-in, sobe para 80 euros (R$300) cada mala.

Ao inventar a cobrança de bagagem, alegrando as empresas, a Anac prometeu que as passagens ficariam mais baratas. Era lorota.

No Brasil, os passageiros já pagavam a passagem aérea mais cara do planeta, e agora pagam caro também pelas malas.

A Anac é um peso nas costas do cidadão sob todos os aspectos. Somente com sua folha de pessoal foram R$300,8 milhões em 2016.

 

Da Redação com informações de Cláudio Humberto no DP