Opinião – País flerta com o abismo e gira a roleta-russa

”O Brasil precisa de reformas emergenciais e uma mudança brutal de perspectiva, o que envolve tanto reorganizar o Estado como fortalecer e bem regular mercados” Em eleições passadas, parte da cobertura jornalística trazia uma expressão bem à Galvão Bueno: “O espetáculo da democracia”. Em contraste com a grandiloquência ufanista, a presente disputa pela Presidência da …

17/09/2018 14:16



”O Brasil precisa de reformas emergenciais e uma mudança brutal de perspectiva, o que envolve tanto reorganizar o Estado como fortalecer e bem regular mercados”

Em eleições passadas, parte da cobertura jornalística trazia uma expressão bem à Galvão Bueno: “O espetáculo da democracia”. Em contraste com a grandiloquência ufanista, a presente disputa pela Presidência da República não tem nada de espetacular. Falta a ela justamente a coisa mais escassa neste país: confiança no futuro. Qual será a resposta das urnas ao blecaute de otimismo?

A era da desesperança não é algo típico do Brasil, ainda que por aqui seja tingida tragicamente pela violência, pela injustiça e pelo desalento sem freios. A recente eleição sueca –país que já foi considerado uma “superpotência moral”– mostrou o crescimento da extrema direita e a pior performance dos socialdemocratas. Aqui, temos a terra arrasada e… Bolsonaro.

O Brasil está a 3 semanas do primeiro turno eleitoral em contexto atípico. O candidato líder se encontra hospitalizado, com incertezas sobre sua saúde após um atentado. O partido que venceu as 3 ultimas eleições adotou a estratégia de definir seu candidato no último momento, procurando capitalizar ao máximo a exposição de Lula, impedido pela Justiça. Coligações que poderiam ter minimizado o presente nervosismo eleitoral não ocorreram. Qual espetáculo o da democracia?

Pesquisa Datafolha divulgada na 6ª feira (14.set) mostra uma constante: Bolsonaro (PSL) à frente, com 26%. A presença deste candidato no 2º turno parece ser, por ora, a única certeza. Bem atrás, vem um grupo empatado na margem de erro de 2 pontos percentuais, mas com dupla liderança de Ciro (PDT) e Haddad (PT), ambos com 13%, seguidos de Alckmin (PSDB), com 9%. Marina (Rede), com 8%, perde intenções de voto e, mais uma vez, enfraquece na reta final.

Cenários do 2º turno mostram diferenças estreitas entre Bolsonaro e os candidatos do pelotão secundário –até o momento, o Apolo da extrema direita seria mais competitivo concorrendo contra Haddad, do qual aparece na frente, dentro da margem de erro (41% contra 40%). Há, em contrapartida, vantagem considerável de Ciro contra Bolsonaro (45% contra 38%). Isso se verifica em menor intensidade com Alckmin em relação ao candidato do PSL (41% contra 37%).

Pode-se enxergar quadro eleitoral sob a perspectiva da crise do liberalismo. Conforme explica Bobbio, o liberalismo é uma doutrina do Estado limitado tanto com respeito aos seus poderes quanto às suas funções [1]. Portanto o legado liberal envolve duas coisas distintas, o estado de direito, personificado no liberalismo político, e o estado mínimo, do liberalismo econômico.

O desafio econômico mundial se expressa na desigualdade de renda e na instabilidade dos mercado financeiros, fruto de uma ordem econômica liberal, ou o velho capitalismo selvagem. O liberalismo político, por sua vez, é uma conquista da dignidade e da autodeterminação dos cidadãos, mas tem sido contestado por forças autoritárias em vários países.

No caso de Bolsonaro, suas proposições encarnam o pior dos mundos: abraça o liberalismo econômico mais radical por meio de seu guru, Paulo Guedes. Paralelamente, expressa um discurso violento, tanto de elogio à ditadura como de exposição explícita ou velada de graves e inaceitáveis preconceitos. Não parece ser exagero identificá-lo como um abismo político.

Não é de estranhar, no entanto, que brasileiros, maltratados pela violência, corrupção, falta de oportunidades, sintam-se tentados por um discurso indignado e violento. Assim flertam com as profundezas, mas não enxergam –tampouco medem– as consequência de sua ira.

As forças que se contrapõem a Bolsonaro estão dispersas em diversas candidaturas. Pelo menos 3 postulantes podem encontrá-lo no 2º turno. Mais importante, esboça-se uma fase final disputada, em que o abismo tem chances de se abrir irremediavelmente.

Uma perigosa roleta-russa, mas que faz parte do jogo. A democracia é a incerteza institucionalizada. As eleições expressam a vontade soberana do eleitor, o que pode envolver mudança de governantes e de diretrizes. A vitória eleitoral envolve funcionalmente a aceitação dos resultados.

Quem vencer necessitará de muita arte para governar. O Brasil precisa de reformas emergenciais e uma mudança brutal de perspectiva, o que envolve tanto reorganizar o Estado como fortalecer e bem regular mercados. A reforma política é um elemento fundamental para a governabilidade e para aliviar as fortes tensões e o desencanto com a democracia.

Os erros de 2014, que culminaram em mais um impeachment, não podem ser repetidos sob pena de termos novamente um país dividido e um imponderável aprofundamento da crise.

A nova política será sempre aquela que mobiliza e constrói. Chega de destruição irresponsável.

[1] Norberto Bobbio, “Liberalismo e Democracia”. São Paulo: Brasiliense, 1994, pág. 17

 

 

Por Edney Cielici Dias, 55 anos, doutor e mestre em ciência política pela USP, é economista pela mesma universidade e jornalista. Escreve semanalmente, aos domingos.