Análise Artigos Destaque Opinião Oriente Médio Segurança

Opinião – A explosão no Líbano e algumas teorias

Imagem de satélite mostra área devastada por explosão no Líbano: ”Tragédia deixou ao menos 100 mortos.  Contexto libanês dificulta respostas”, aponta Schmitt

”O Líbano é mais que um país; é uma mensagem.”

Essa frase, dita pelo Papa João Paulo II, é a mesma que eu usei num artigo para a Rolling Stone. Eu a repito aqui porque ela tem o raro poder de sintetizar o espírito de uma verdade sem reduzi-la. Mas não existe espírito nacional que sobreviva a divisões religiosas. Assim como não existe espírito coletivo que sobreviva à política identitária. Por que misturo esses 2 assuntos aqui, Líbano e identitarismo? Porque estamos todos tendo a chance de entender algo que eu compreendi com clareza nos anos em que morei no Líbano e nas duas guerras, alguns assassinatos e várias explosões que lá cobri para o SBTRadio France InternacionaleFolhaEstadão: não há essência coletiva que resista ao agrupamento forçado de indivíduos –e à separação desses grupos– sob critérios arbitrários que limite seres humanos a um gênero, uma raça, uma religião.

A explosão que destruiu parte de Beirute nesta 2ª feira (4.ago) é mais uma materialização dessa verdade. No artigo de hoje vou apresentar algumas hipóteses técnicas e geopolíticas que tentam explicar o fato, mas quero 1º falar um pouco do contexto maior em que essa tragédia aconteceu, até porque um é sabido, o outro é apenas especulação. De tudo que vou falar aqui, a única certeza que tenho é o que vem antes dessa explosão: a falência de um sistema que estimula a ocorrência de tantas tragédias, quase todas feitas pelo homem.

O Líbano é o metafórico “caldeirão de religiões” que tenta sobreviver em paz mas frequentemente se vê vítima da sua diversidade religiosa. Mas será que é a diversidade que destrói o Líbano? Na minha opinião, não é. O que destrói o Líbano no cerne do processo político não é a diversidade, mas a diversidade determinada por lei, a divisão das pessoas em grupos regidos por critérios obrigatórios. Para que você entenda isso de forma mais clara, deixa eu dar um exemplo simples que ilustra a estupidez abjeta do identitarismo. Imagina você ir a um restaurante em que existem áreas específicas para fumantes/não-fumantes, idosos/jovens, negros/brancos, mulheres/homens, religiosos/ateus. Em 1º lugar, você é confrontado com o reducionismo de cada categoria. Onde ficam os mulatos? E os gays? E se existir área para gays, onde ficam os trans? E aqueles que fumam ocasionalmente? E os de meia-idade? E os agnósticos? E quem decide quantas variações podem ser contidas em cada categoria?

Mas existe algo pior e mais absurdo do que tentar forçar as pessoas a escolherem onde se encaixam nesse binarismo (ou “multinarismo”): é o de ter que escolher qual dessas categorias deveria decidir o seu lugar no restaurante. Se você for mulher, preta, idosa, fumante, em qual dessas áreas você quer sentar: com os fumantes? Ou com os religiosos? Com as mulheres? Ou com os negros? E se eu disser que você é obrigado a escolher apenas um desses critérios para se autodefinir, e que esse será o grupo do qual você vai fazer parte até morrer? O identitarismo, em pinceladas mais largas, é exatamente isso: a taxonomia que reduz o ser humano a uma classificação decidida em universidades onde os “especialistas” sabem mais e mais sobre menos e menos. E o Líbano é um dos poucos experimentos mundiais em que uma dessas categorizações (a religiosa) foi transformada em lei e política pública. Aqui eu explico melhor como esse sistema (mal) funciona.

A minha ideia inicial para tese de mestrado na American University of Beirut envolvia a teoria dos jogos –modelos matemáticos de interação estratégica e tomadas de decisão entre pessoas racionais, e como decisões em benefício próprio podem ou não favorecer o resto da sociedade. Eu queria usar a teoria dos jogos para mostrar que o sectarianismo no Líbano –ou o agrupamento de indivíduos sob critérios arbitrários– acaba corrompendo a lógica natural da sociedade e das relações políticas e interpessoais. A ideia foi considerada muito inteligente por especialistas em política e lógica, mas quem não tinha inteligência matemática suficiente para sustentar a tese era eu. Hoje, sabemos que esse experimento em sectarianismo falhou, e a matemática corroboradora que eu queria encontrar se tornou desnecessária.

Muitos sabem que no Líbano o presidente, o primeiro-ministro e o líder do Congresso são escolhidos de acordo com suas religiões. Os assentos no parlamento também são divididos entre as 18 denominações religiosas oficiais (e azar de quem não segue nenhuma dessas). Mas existe algo ainda mais problemático, e menos discutido: as agências reguladoras e os órgãos da administração pública também são considerados áreas cativas de religiões específicas. É fácil imaginar as distorções que isso pode causar, e como esse tipo de “critério administrativo” estimula o favorecimento indevido de membros da mesma religião, em prejuízo de membros de religiões diferentes. De certa forma, passa a ser uma obrigação moral e política do administrador público agir “de acordo” com sua situação religiosa. Com essa premissa, fica a pergunta: quem tinha controle sobre o porto de Beirute?

Não é difícil achar artigos defendendo a tese de que o porto de Beirute estava sob controle do Hezbollah, mas a grande maioria desses artigos vem de fontes pró-Israel, como aqui e aqui.

Também não é difícil entender a ausência de fontes confiáveis dentro do Líbano: quem vai querer antagonizar um partido que tem mais armas que o próprio Exército do país? Não estou sugerindo que Hezbollah tenha culpa, nem tampouco que a explosão tenha sido fruto de qualquer motivação sinistra, em vez de pura incompetência. Para quem pensa que sou “contra” o Hezbollah, como esse jornalista respeitável que praticamente me acusou de ser “apologista de Israel”, vale lembrar que eu sou a única mulher do ocidente (e talvez do mundo) a entrevistar Hassan Nasrallah, o secretário-geral do Hezbollah e maior inimigo de Israel. Para isso, minha vida foi investigada o suficiente, e a fofinha aqui passou no teste da idoneidade. Também passei no teste do Mossad, e o ex-chefe Shabtai Shavit concordou, excepcionalmente, a me dar uma entrevista (que ele interrompeu, com um leve aperto no meu braço, assim que começou a se incomodar com as perguntas. Ele também perguntou quanto tempo eu iria ficar em Israel, e eu perguntei se ele estava querendo “me assassinar”).

Mesmo sem tempo ou perícia para se ter alguma certeza, algumas coisas estão sendo aceitas quase como consenso. Um deles é o de que a explosão foi de nitrato de amônio, supostamente retido no porto de Beirute depois que um navio da Moldávia foi detido por irregularidades. A carga altamente explosiva já estaria armazenada no porto há cerca de 6 anos, colocando Beirute em risco. Uma das fontes para essa informação é uma publicação especializada, The Arrest News. O artigo que trata do assunto é este aqui, mas eu também achei artigos sobre o mesmo assunto em outras fontes, como esse aqui, e este outro, em russo, cuja tradução do googletranslate.com eu consegui corroborar.

Se de fato a explosão veio desse armazenamento, quem autorizou aquilo? E qual era a finalidade original do nitrato? Fertilizante ou arma? E ele veio mesmo da Moldávia? Alguns suspeitam que o nitrato possa ter vindo da Síria, um dos países que mais tinham armas químicas, mas que alegadamente se desfez delas depois de pressão internacional em 2013. Mas também pode ter vindo do Irã.

Entre tanta confusão e desinformação, um vídeo do próprio Hassan Nasrallah está intrigando muita gente. A versão de 30 segundos que circula no WhatsApp libanês mostra o secretário-geral do Hezbollah, supostamente em 2017, falando de –segura o fôlego– um ataque com mísseis a um depósito de nitrato de amônio no porto de Haifa, em Israel. A coincidência é chocante, mas Nasrallah não faz ameaça, e o vídeo está propositalmente fora de contexto. Ainda assim, a mera menção a mísseis e nitrato de amônio já é algo que está provocando o surgimento de outras tantas teorias. Eu encontrei uma versão mais longa, de cerca de 2 minutos, com legendas em inglês.

usuário do Twitter Carlos Osweda, de quem eu nunca tinha ouvido falar e cuja especialização não consegui verificar, tem uma teoria mais interessante –e aparentemente bem fundamentada– do que quase tudo que vi de analistas respeitados. Não estou querendo dizer que ele esteja correto, até porque não tenho meios para entender suas explicações sobre combustão, armas químicas etc., e não tive tempo para consultar especialistas no assunto. Mas ele diz que Israel teria informação sobre o nitrato –que poderia vir a ser usado para armas de destruição em massa– e que teria decidido destruir o arsenal causando o menor número de vítimas possível.

Essa tese é reforçada por outra que propõe que as inexplicáveis explosões de arsenais no Irã nos últimos meses possam ser ações secretas de Israel. Aqui um vídeo mostra pessoas alegando ter encontrado pedaços de metal que poderiam ter vindo de mísseis, com inscrições em “língua estrangeira”.

Essa teoria tem um aspecto interessante, não explorado no fio do Twitter: se for de fato esse o caso, tanto Israel quanto o Hezbollah teriam interesse em se calar –Hezbollah porque deixou Beirute refém de uma ameaça, e Israel porque atacou o Líbano e causou mortes.

 

 

 

 

Por Paula Schmitt é jornalista, escritora e tem mestrado em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção “Eudemonia” e do de não-ficção “Spies”. Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *