Opinião – Você talvez já coma um cartão de crédito por semana

“Desde o ano 2000 já produzimos tanto plástico quanto o que foi fabricado até então. O problema seria pouco relevante se o material fosse biodegradável. Mas tipicamente não é.”, diz autor É muito plástico. No ano passado, foi divulgado pela WWF (World Wildlife Fund) um estudo, conduzido pela universidade australiana de Newcastle, que apontava que nós …

24/08/2020 09:51



“Desde o ano 2000 já produzimos tanto plástico quanto o que foi fabricado até então. O problema seria pouco relevante se o material fosse biodegradável. Mas tipicamente não é.”, diz autor

É muito plástico.

No ano passado, foi divulgado pela WWF (World Wildlife Fund) um estudo, conduzido pela universidade australiana de Newcastle, que apontava que nós já ingerimos o equivalente a um cartão de crédito por semana. Algo como 5 gramas de plástico.

O estudo basicamente compilou achados de cerca de 50 investigações prévias. Obviamente, em se tratando de ciência e de um campo ainda em sua infância, há muita incerteza envolvida nessa estimativa, mas pesquisa após pesquisa vem confirmando que ingerimos cada vez mais resíduo em forma de microplásticos (partículas menores que 5 milímetros, como fibras) ou nanoplásticos (menores até que o coronavírus). Outra investigação, da universidade canadense de Victoria, estimou que americanos ingerem até 121.000 dessas partículas por ano.

Vai um ketchup aí? Os efeitos desses fragmentos minúsculos na nossa saúde ainda não são bem conhecidos, mas pesquisas iniciais sugerem que não são nada bons, pois, entre outros problemas, o plástico acaba carregando consigo substâncias tóxicas, como metais pesados e os temidos poluentes orgânicos persistentes (POPs), que incluem os pesticidas. A suspeita é que esses materiais possam perturbar nosso sistema imunológico e que sejam carcinogênicos.

Os pequenininhos, em tese, são capazes de entrar nos nossos órgãos. Os grandes já fazem um bom passeio interno: microplásticos derivados de PVC e PET vêm sendo encontrados em fezes humanas.

Alguém me leva de volta, por favor, pros anos 80?

Em um padrão que é comum para o lixo que a geração coca-cola está cuspindo de volta no planeta, desde o ano 2000 já produzimos tanto plástico quanto o que foi fabricado até então. O problema seria pouco relevante se o material fosse biodegradável. Mas tipicamente não é. Só as garrafas plásticas provavelmente ficarão se decompondo em lixo ambiental pelo mesmo tempo que o Brasil levou de Cabral a Getúlio.

Esse plástico-zumbi está se acumulando cada vez mais nos oceanos, no ar, na água, na cerveja, na comida e (muito provavelmente) nos corpos das crianças de hoje.

Estima-se, bem por baixo, que mais da metade de todo o plástico produzido no mundo é jogada fora (lembre-se que não há “fora” em um sistema fechado).  E o consumo só aumenta. Um estudo recentíssimo publicado na Science indica, até 2040, um incremento esperado de quase 3 vezes naquilo que empurramos para debaixo do tapete planetário, no lucrativo cenário de business as usual.

Isso não é nada abstrato. Há uma enorme chance de você estar digerindo plástico neste exato momento. Em pesquisa chocante feita aqui mesmo no Brasil, acharam a substância em carnes embaladas a vácuo, inclusive dentro do alimento –são compostos que se mantêm mesmo com o cozimento.

Esse coquetel demoníaco que ingerimos e aspiramos (pelo ar) inclui ainda micropartículas usadas em produtos de beleza, fibras têxteis sintéticas e resíduos de pneus. É da vida moderna: os derivados de petróleo, carvão e gás natural estão em todos os aspectos da nossa vida, do PVC do encanamento de sua casa ao aparelho em que você está lendo esta coluna.

REFORMA TRIBUTÁRIA DO SÉCULO PASSADO

Como sempre rola um ad hominem, deixa eu esclarecer uma coisa. Não acredito muito em solução individual, embora apoie quem procure mudar seu estilo de vida e tente mudar o meu. Gosto de carne, de viajar de avião e eventualmente tomo água em garrafa plástica. Fui socializado para esperar progresso contínuo da humanidade. Não sou, em resumo, daquelas pessoas que acham que a solução é deitar regras para os outros.

Acredito, por outro lado, em mudanças em estruturas de incentivos e nas regras do jogo.

Precisamos, acima de tudo, seguir o chamado princípio da precaução. Isto é, na ausência da certeza científica formal e considerando os enormes riscos envolvidos, é preciso agir já, antes que seja tarde demais.

Porém é preciso agir certo. Políticas como proibição de sacolinhas de supermercado agem no ponto errado do sistema e mesmo a reciclagem doméstica tende a ser mais hipocrisia do que solução. A própria reciclagem do plástico em suas distintas formas é, no geral, mais difícil do que as pessoas imaginam e pouco factível na maior parte dos casos.

Uma abordagem racional requer a adoção de um conjunto de medidas que estimule, por exemplo, a substituição de materiais. Há bons motivos, em especial, para defendermos uma tributação pesada do carbono. Há maneiras e maneiras de se fazer isso, contando, inclusive, com o apoio da população.  Mas é preciso tirar do papel.

Infelizmente, as propostas de reforma tributária em discussão no Brasil virtualmente ignoram a questão. Estamos tentando ainda resolver os problemas do século passado. Mas é neste que estamos sendo chamados a pagar a pesada conta dos nossos pecados civilizatórios, o que inclui esse verdadeiro armaggedon plástico que parece estar se formando dentro dos corpos das nossas crianças.

 

 

 

 

Por Hamilton Carvalho, 48 anos, estuda problemas sociais complexos. É doutor em Administração pela FEA-USP, mestre em Administração pela mesma instituição, membro da System Dynamics Society e da Behavioral Science & Policy Association