Opinião – Bolsonaro e Dória estreiam a Guerra das Vacinas

”Bolsonaro e Doria disputam versões; governador diz ter vacina disponível; Presidente é contra imunização obrigatória”, aponta autor

23/10/2020 23:53



Começou a nova Guerra das Vacinas, uma disputa que envolve a saúde a de milhões de brasileiros e as pretensões eleitorais de dois específicos, o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Doria.

Na 2ª feira (19.out.2020), o Instituto Butantan (do governo de São Paulo) anunciou a conclusão dos testes que avaliam a segurança da vacina chinesa CoronaVac contra o coronavírus entre os voluntários brasileiros, com 35% de efeitos colaterais, índice considerado baixo para esta fase de testes. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai avaliar a liberação da vacina chinesa se ela passar por uma última etapa de exames.

Existem vários aspectos paralelos para entender o debate, mas para este artigo vamos nos concentrar no eleitoral. Há ansiedade natural das pessoas por uma vacina contra o coronavírus. Uma sociedade imunizada é a coisa mais perto que podemos imaginar com o mundo pré-pandemia, embora nenhuma vacina tenha 100% de segurança. Depois de mais de 154 mil mortos e 5,25 milhões de infectados, a possibilidade de não perder o sono com uma coriza tornou-se um sonho. O governante que atender a esse sonho leva uma vantagem.

Por isso, a reação do bolsonarismo a Doria foi em avalanche. Aproveitando o erro do governador em afirmar que a vacinação seria obrigatória, o bolsonarismo desviou o assunto –da vantagem da imunização em massa para a possibilidade de as pessoas serem forçadas a se vacinar. Foi este o motivo, aliás, da primeira Revolta da Vacina, em 1904, contra a obrigatoriedade da vacina contra varíola.

Bolsonaro reagiu três vezes contra Doria. Uma para afirmar que a decisão final de liberação da vacina é do Ministério da Saúde e duas para negar a obrigatoriedade da vacinação.

“Não será obrigatória. Quem está propagando isso aí, com toda certeza, é uma pessoa que pode estar pensando em tudo, menos na saúde. Essa pessoa [Doria] está levando terror perante a opinião pública. Metade da população diz que não quer tomar essa vacina, esse é um direito das pessoas. O governo federal não obrigará ninguém”, disse o presidente.

Na 6ª feira (16.out.2020), Doria havia dito que em São Paulo poderia forçar a imunização“Já garanti que aqui os 45 milhões de brasileiros de São Paulo serão vacinados e a vacinação será obrigatória, exceto se o cidadão tiver uma orientação médica e um atestado médico que não pode tomar a vacina. E adotaremos as medidas legais se houver alguma contrariedade nesse sentido. Não é possível imaginar –e eu aprendi isso com os médicos, temos três aqui ao nosso lado– numa pandemia, vacinar alguns e não vacinar outros. Enquanto tivermos pessoas não vacinadas em larga escala, continuaremos tendo a presença do vírus, a contaminação e morte”, disse. Na 2ª feira, enxergando a reação sobre obrigatoriedade, Doria recuou e foi genérico.

A possibilidade de obrigatoriedade da vacina foi a faísca para uma reação em cadeia inaugurada pelo principal porta-voz da direita, o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub. “A LIBERDADE ACABOU. Vacina OBRIGATÓRIA para todos os 45 milhões de Paulistas! Além de nos ameaçar, como se ele fosse o dono de um bando de cães, esse cara quer vacinar na marra crianças e bebês! SEUS FILHOS E NETOS! Na marra! Arrogante!”, escreveu no Twitter, incluindo as maiúsculas.

Weintraub teve o apoio do líder do partido Novo da Câmara, Paulo Ganine, e do filho do presidente Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Contra a fúria bolsonarista ficaram o ex-candidato a presidente pelo Novo, João Amôedo, e o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. A esquerda ignorou o debate.

É altamente improvável que a Anvisa autorize vacinações em massa no Brasil antes de testes de segurança no mundo todo. Isso significa que, com otimismo, quem trabalha na área de saúde sob risco de contágio poderá ser vacinado ainda neste ano. Depois, a prioridade será para pessoas com doenças associadas (como diabetes) ou com mais de 65 anos. Só então haveria vacinação para todos. Na semana passada, a vice-diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, Mariângela Simão, previu que só haverá vacinação em massa no Brasil e no mundo em 2022.

A Anvisa já autorizou testes clínicos das vacinas da Johnson & Johnson (EUA/Bélgica), da Universidade de Oxford/AstraZeneca (Reino Unido), da Sinovac/Butatan (China/Brasil) e da Pfizer/BioNTech (EUA/Alemanha). A russa Sputnik, que está sendo testada com voluntários em acordo com os governos do Paraná e Bahia, ainda não apresentou seus resultados.

Pesquisa de agosto revelou que 82% dos brasileiros “com certeza tomariam” uma vacina contra a covid-19 se estivesse disponível. Outros 7% dizem que “com certeza não tomariam” e 11% não souberam ou não responderam. A vontade de se vacinar é grande mesmo entre bolsonaristas. 84% dos que aprovam o governo se vacinariam e apenas 5% se recusariam. Na mesma pesquisa, os entrevistados foram colocados diante das opções de vacinas, por países. 26% disseram preferir uma vacina americana, 20% europeia, 8% da China, 7% da Rússia e 39% não souberam responder.

 

 

 

 

Por Thomas Traumann, 53 anos, é jornalista, consultor de comunicação e autor do livro “O Pior Emprego do Mundo”, sobre ministros da Fazenda e crises econômicas. Trabalhou nas redações da Folha de S. Paulo, Veja e Época, foi diretor das empresas de comunicação corporativa Llorente&Cuenca e FSB, porta-voz e ministro de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff e pesquisador de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Dapp)