Opinião – China entra no jogo da mudança climática

Leia análise de Julia Fonteles

26/10/2020 16:37



Novo programa de governo da China entra em vigor em 2021
Compromisso chinês exige cautela
Colapso do petróleo pode demorar

Durante a 75a assembleia geral da ONU, o presidente Xi Jinping anunciou o compromisso da China em atingir neutralidade de carbono até 2060. Signatária do acordo de Paris, é a primeira vez que a China adota uma postura climática tão clara e ambiciosa.

Como maior emissora de CO2 do mundo, a potência asiática deverá detalhar medidas para a descarbonização no seu novo plano de governo, que entra em vigor em janeiro de 2021. Especificamente, o plano buscará quadruplicar a capacidade de energia nuclear, expandir investimentos em infraestrutura de carros elétricos e aumentar a parcela de energia renovável em mais de 500%.

A substituição do carvão por fontes renováveis será uma tarefa monumental, pois o produto compõe aproximadamente 58% da matriz energética chinesa. Embora a potência asiática também seja responsável pela produção mundial de 72% das placas solares, 69% das baterias de lítio e 45% das turbinas para energia eólica, a crescente demanda de energia para suprir o setor industrial dificulta a substituição imediata de carvão por renováveis. O maior desafio certamente será turbinar a utilização de energia renovável em escala durante um prazo curto.

É importante ressaltar que a China é a maior financiadora de usinas termelétricas do mundo. O Banco de Desenvolvimento Chinês é responsável pela construção de ao menos 13 projetos de usinas movidas a carvão no continente africano, com um valor estimado em US$ 52.8 bilhões. Portanto, para realmente firmar o compromisso de descarbonização é necessário expandir os critérios de energia limpa para parceiros comerciais.

Na edição de 17 setembro, a revista The Economist publicou o artigo ““Será o Fim da era do Petróleo?” O texto sugere que devido ao colapso no preço e na demanda de combustíveis fósseis, impulsionado pela pandemia, os produtores de petróleo e gás poderiam estar com os dias contados. Embora não seja a primeira vez que o preço do petróleo despenca, o artigo infere que é a primeira vez que investidores e alguns governos não sinalizaram esforços para recuperar o setor e apostam em energia renovável como investimento a longo prazo.

Ao referir-se à China como a próxima potência elétrica do mundo, o artigo implica que por ser o maior produtor de equipamentos renováveis, o país vai atrair capital nos próximos anos, e estará na liderança da recuperação econômica mundial pós covid-19.

Além das repercussões econômicas e ambientais, essa mudança terá um grande efeito na distribuição de poder e na formatação geopolítica. Países ricos em recursos naturais, Arábia Saudita e Rússia dominaram o mercado energético por décadas, capazes de manipular os preços e parceiros comerciais.

A expectativa geral é que com a crescente falta de clientes e interesse na produção de combustíveis fósseis, esses países percam seu status mundial, abrindo espaço para um mundo menos dependente da instabilidade do preço do petróleo e com maior autonomia energética.

Em artigo para a revista Foreign Policy, o diretor do programa Center on Global Energy Policy, da Universidade de Columbia, Jason Bordoff, não está convencido que as dinâmicas da política de poder vão mudar tão rápido. Segundo ele, os prejuízos dos produtores de petróleo se acentuaram durante a crise da covid-19, mas, à medida em que a economia se recupera, a Arábia Saudita e Rússia vão restaurando seu status mundial, afinal, ainda prevalece a dependência do petróleo. Bordoff lembra que, historicamente, tais países têm uma reputação de exercer poder sem medo, como aconteceu em 2006 e 2009 quando a Rússia cortou a fonte de gás natural para alguns países do leste europeu.

Embora com ressalvas, o compromisso chinês deve ser comemorado e representa um avanço nas conversas da diplomacia do clima. As repercussões técnicas e a seriedade de descarbonizar a economia vai se esclarecer com o tempo e com a pressão internacional de seus parceiros comerciais.

 

 

 

 

Por Julia Fonteles, 24 anos, é formada em Economia e Relações Internacionais pela George Washington University e é mestranda em Energia e Meio Ambiente pela School of Advanced International Studies, Johns Hopkins University. Criou e mantém o blog “Desenvolvimento Passo a Passo”, uma plataforma voltada para simplificar ideias na área de desenvolvimento econômico