Opinião – Qual a diferença fundamental entre Trump e Bolsonaro?

”Bolsonaro e Trump são como banana e laranja”, compara autor

06/11/2020 16:23



Mito nunca foi 1 magnata
Republicano enfrenta pedreira

Hoje, o presidente Donald Trump está caminhando pelo vale das sombras da morte. É dia da eleição nos Estados Unidos e só ele tem a perder, já que é o incumbente. Só Deus e o ex-presidente Fernando Henrique são capazes de saber o que vai acontecer, não necessariamente nessa ordem. Eu que não vou me arriscar em palpites né? Mas seja o que for, existe uma das mais boçais metáforas dos que tentam agredir o Mito, dizendo que ele é o “Trump brasileiro”. É uma coisa tão sem sentido, as duas frutas são tão diferentes que eu não sei por onde começar. Mas o Trump e o Mito… é como comparar banana (por favor, não venham dizer que estou com complexo de vira-lata por causa da fruta) e laranja (por favor, não venham dizer que estou atacando subliminarmente o ocupante da Casa Branca).

Vamos iniciar pelo mais elementar: o nosso Trump, a nossa “águia do neoliberalismo ianque” é servidor público federal aposentado. E pensionista. O nosso Trump foi deputado federal por 7 mandatos pelo Estado do Rio de Janeiro (“paraíso da beleza e do caos”), antes de ocupar a Casa Branca, quer dizer, o Palácio do Planalto. O nosso Trump tem 3 filhos estatizados pela política, desde sempre, legitimamente eleitos pelo voto popular, frise-se. O nosso Trump veio da política e nunca foi um magnata, como o Trump deles.

O Trump deles, ou se quiserem fazer essa maluquice de igualar frutas incomparáveis, o Bolsonaro norte-americano foi eleito pelo mais tradicional de todos os partidos, o mais antigo deles. O Mito foi eleito contra a política tradicional. O Bolsonaro norte-americano assumiu e radicalizou ao extremo a divisão política do país. O Mito se aventurou por essas veredas por aqui, mas veio a pandemia e ele adotou o tratamento que todos os antecessores tomaram para não virem a luto durante seus mandatos: tomou uma dose cavalar da infalível “cloroquina política”, o Centrão, os partidos que dão sustenção a governos, como se fossem partidos de “Estado” e não de “gestões”. Resultado? As taxas de “saturação” política do presidente chegaram quase ao máximo. A cloroquina o salvou!

Já o Bolsonaro ianque, que não foi deputado pelo Rio de Janeiro, que conhece o termo “dialética” pelo dicionário, mas nunca como alguém que entende profundamente a lógica do “asfalto” e a lógica do “morro”, como o Trump brasileiro, pois o Bolsonaro ianque resolveu radicalizar cada vez mais após sentar no trono. Diga-se a seu favor que matar no peito uma pandemia em pleno ano de eleição presidencial é um desafio para Titãs. Mas, por aqui, o Trump brasileiro virou um improvável pai dos pobres (dialético não?), trocou os discursos raivosos pelas lives regadas ao cor de rosa do guaraná Jesus, tradição maranhense.

O resultado é que o Bolsonaro deles chega hoje enfrentando uma pedreira para se reeleger, enquanto nosso Trump nunca ostentou índices tão generosos de aceitação do povão, apesar das narinas empinadas e contraídas dos “críticos indignados”. Sabe o que mais me impressiona neles? A profundidade. Sim, a profundidade das olheiras. É insônia, é um estado de pânico permanente com o futuro da pátria que os impede de dormir? Não sei. Mas quando os vejo o que mais me impressiona, sempre, são as olheiras! Quanto a Trump e Bolsonaro, são laranja e banana. Uma coisa é certa sobre o impacto da eleição norte-americana no Brasil: o Mito vai AMAR, do fundo do coração, quem estiver sentado na cadeira principal da avenida Pensilvânia, 1.600.

O nosso Trump tem uma solução filosófica para qualquer armadilha ou contradição política que queiram lhe pespegar: “O Brasil acima de tudo!”.

Dialética é isso. O resto é dogmatismo.

 

 

 

 

Por Mario Rosa, 55 anos, é jornalista, escritor, autor de cinco livros e consultor de comunicação, especializado em gerenciamento de crises.