Opinião – Feliz 2021 é de direita ou esquerda? É golpe ou gentileza?

“É muito complicado ter qualquer posição. Até sobre o ano novo. Tá me lembrando aquela época em que os comentaristas esportivos torciam contra –contra– a seleção brasileira porque se o Brasil ganhasse a Copa isso seria bom para a popularidade do regime militar”, diz Mario Rosa

13/01/2021 15:20



Brasil: difícil ter qualquer posição
Até sobre desejar feliz Ano Novo

Seja a que ponto chegamos na polarização…eu só queria desejar a todos um feliz Ano Novo, um Feliz 2021! Eu queria, do fundo do coração, apenas compartilhar meus votos para que cada um, cada uma, possam realizar seus projetos, possam alcançar seus objetivos, possam atingir todos o seu potencial e suas metas, verem seus sonhos mais lindos se tornarem realidade. Eu só queria dizer que eu desejo a todos um 2021 de muita paz, saúde – saúde, esse bem tão valioso e indispensável, eu desejo que a sua família termine o ano que começa sem traumas nem perdas, enfim, eu desejo tudo de bom a todos. Mas…

Isso é um perigo! Que tipo de cara sou eu? Um alienado? Um sujeito insensível com todo o sofrimento do “povo brasileiro”? Um “ufanista”, que vem aqui, de maneira subalterna e subliminar, manipular o sentimento de otimismo das pessoas no início do ano para estar a serviço do “regime”? Como ter o desplante de desejar um “feliz” ano novo, como se isso fosse possível? O que eu sou? Um genocida? Um negacionista? Um golpista? Um propagador de “fake news” de Ano Novo? Serei eu um blogueiro antidemocrático e essa coluna, uma prova inquestionável de meu radicalismo extremista? Eu irei alegar: só quis desejar feliz Ano Novo! E a turba irá rebater: eles sempre dizem o mesmo, que suas intenções foram sem maldade…

O fato é que saímos de 2020 com a pandemia ferindo e marcando o coração de milhares de famílias, que perderam os seus. E no dia a dia da sociedade passamos a viver cada vez mais nessa torre de Babel onde qualquer coisa que seja dita –e, pior, até mesmo não dita– pode assumir proporções catastróficas para quem pronunciou (ou não) o que foi “polemizado”.

Veja a minha situação: se na primeira coluna do ano desejasse um Péssimo Ano Novo para todos, que sensação causaria? Xiii… esse cara tá mal, precisa aumentar a dose de Rivotril, por que não tenta voltar pra ela e engole toda essa misoginia tóxica, coitado…quebrou mesmo…e por aí iria não é mesmo? Mas se eu simplesmente começo o ano, aliás, já estreando dando uma mostra de total falta de criatividade, recorrendo ao mais surrado tema de início de ano “feliz Ano Novo”, do jeito que o sino está tocando, posso estar cavando minha sepultura e nem chegou o Carnaval! Socorrro!!!!

É que o Brasil está tão chato (desculpe, começar o Ano Novo já esculhambando o país… Ame-o ou Deixe-o… piorou! Pode odiar e ficar! Pode amar e ir embora! A rigor, o Brasil não tá chato não! Como assim? Eu estou apoiando o Mito? Por que? Porque se eu digo que o Brasil não tá chato é um apoio implícito?). Tá vendo? É muito complicado ter qualquer posição. Até sobre o ano novo. Tá me lembrando aquela época em que os comentaristas esportivos torciam contra –contra– a seleção brasileira porque se o Brasil ganhasse a Copa isso seria bom para a popularidade do regime militar. Então, será que estamos na mesma? Se eu desejar “Feliz Ano Novo” eu sou um bolsonarista? Um bolsominion?

Pois em nome da transparência e da honestidade intelectual que um jornal digital deste nível exige e, sobretudo, da qualidade e inteligência dos nossos leitores e leitoras, tenho de fazer uma confissão pública que talvez destrua definitivamente qualquer resquício de credibilidade que eu tenha (a rigor, nunca soube que tivesse, mas tudo bem…). Da maneira mais oficialesca e chapa branca, eu confesso que telefonei –eu mesmo– da forma mais pusilânime e lambe botas, por livre e espontânea vontade, sem sofrer qualquer tipo de coação, pois bem, euzinho mesmo telefonei para a minha filha antes da passagem do ano e num gesto de alienação parental desejei a ela… Desejei a ela… É duro dizer isso…. Desejei FELIZ 2021!!!!!

Não sabia a gravidade e as consequências transcendentais e geopolíticas deste ato. Como posso me redimir perante a todos?

Bom… Espero que todos tenham… Um Feliz 2021!

Perdão! Eu sou um caso perdido! Prometo só desejar um feliz Ano Novo daqui um ano!

Dou a minha palavra!

 

 

 

 

Por Mario Rosa, 55 anos, é jornalista, escritor, autor de cinco livros e consultor de comunicação, especializado em gerenciamento de crises.