Opinião – Censura pós-Trump – parte 1

Por Paula Schimitt

15/01/2021 11:17



Abre-se precedente perigoso
Redes formam conluio corporativo

O presidente Donald Trump –vetado em redes sociais– embarca em helicóptero para viagem ao Texas

Para quem teme a tirania e o fascismo, os últimos dias devem ter sido um pesadelo. Não me refiro apenas à invasão do Capitólio por uma matilha ensandecida, com virulência magnificada pela força da convicção coletiva. Estou falando de uma catástrofe maior que apenas começou: a resposta àquela insurreição na forma de censura e banimento de vozes dissonantes, o que trará ao menos uma consequência previsível: a formação de mais matilhas ensandecidas, com virulência magnificada pela força da convicção coletiva. É isso que acontece quando se colocam pessoas que pensam igual numa sala –a eliminação do contraponto, a obliteração da dúvida, e a criação de uma certeza indestrutível. Assim surgem os cultos e as histerias coletivas. E tudo isso está sendo feito sob os aplausos da plateia.

O Twitter, depois de meses alertando sobre a imprecisão de tweets específicos de Donald Trump, finalmente baniu o presidente norte-americano da sua plataforma. O banimento, é bom lembrar, só veio quando o ato já não demandava coragem nenhuma e o mundo inteiro sabia que Trump tinha perdido as eleições. Trump teria incitado seus seguidores a invadir o Capitólio. Não posso negar ou afirmar que Trump incitou a violência com seus tweets, mas sei que os possíveis critérios usados para seu banimento foram ignorados contra outros políticos.

Em 2018, Nancy Pelosi, a deputada do partido democrata e presidente da Câmara dos Representantes no Congresso norte-americano, fez um discurso que também poderia ser acusado de incitar a violência –e que ela deveria ter todo o direito de fazer, como de fato o fez.

Pelosi falava da separação de crianças dos seus pais imigrantes –uma das maiores atrocidades do governo de Donald Trump, uma tragédia humanitária que nem financeiramente compensou os supostos benefícios da medida, servindo apenas para enriquecer os donos de empresas de prisão e detenção temporária enquanto causava danos irreversíveis a centenas de famílias e crianças inocentes, algumas das quais foram “perdidas” na burocracia do sistema e até hoje não foram encontradas pelos pais  . A deputada Pelosi disse: “Eu simplesmente não sei como não acontecem rebeliões [uprisings] por todo o país, e talvez elas aconteçam quando as pessoas se derem conta que isso [a separação de filhos de imigrantes] é uma política de governo”.

Milhares de perfis foram banidos do Twitter e do Facebook, inclusive o do pacifista Ron Paul, libertário que eu pessoalmente admiro e que escolhi elogiar há mais de 10 anos no meu livro de ficção Eudemonia como uma honrosa exceção no mundo político. Quase todos os perfis suspensos pertencem a críticos do partido democrata. Patrick Byrne (disclaimer: meu amigo de longa data), ex-CEO da Overstock, também teve sua conta suspensa. Ele não sabe dizer qual foi o tweet decisivo, mas há semanas ele vinha defendendo teorias bastante questionáveis sobre a lisura das eleições. Eu discordei de várias de suas teorias, e partilhei contrateorias que derrubavam as suas teses. E essas contrateorias eu encontrei ali mesmo, no perfil do Patrick, críticas apresentadas como resposta aos seus tweets, um fórum grego socratiano onde ponto e contraponto são expostos e os fatos vão sendo depurados pelo debate, como a água que se purifica depois de passar por muita terra e areia. Mas esse fórum socratiano está prestes a acabar.

Patrick conhece bem a sensação de ser desmerecido. Por anos ele defendeu praticamente sozinho uma teoria ridicularizada até por especialistas do mercado de ações –ou principalmente por eles. Traduzo aqui uma parte de longa reportagem sobre ele na revista The New Yorker:

Byrne era conhecido pela sua sensacional batalha legal contra várias firmas de investimento e do mercado de ações no começo dos anos 2000. Ele as acusou de conluio para derrubar o preço das ações de várias empresas, inclusive a sua –uma alegação que parecia improvável, até absurda. Ele foi ridicularizado […] Mas logo depois que a crise financeira começou [e que Patrick também previu], as suspeitas de Byrne foram confirmadas, e agências reguladoras foram atrás da prática que ele descreveu”.

A prática que ele denunciou era o naked short-selling, uma maneira de manipular preço de ações cuja compra ainda não foi realizada, servindo para destruir empresas e pequenos investidores e enriquecer os menos honestos. Patrick também denunciou ao vácuo o que ele chamou de “captura” das agências reguladoras norte-americanas, que teriam sido corrompidas exatamente pelas empresas que pretendiam regular. Cansado de falar sozinho, e diante do silêncio complícito da grande imprensa, Patrick criou seu próprio site onde publicava artigos sobre o assunto, Deep Capture. Mas até a Justiça norte-americana acabou admitindo que Patrick estava certo, porque lhe deu ganho de causa em indenização de US$ 5 milhões da firma Rocker Partners, e permitiu um acordo sigiloso com Goldman Sachs fora dos tribunais estimado em outros US$ 8 milhões.

Patrick pode estar errado sobre a fraude nas eleições norte-americanas, e é até provável que esteja. Mas é fundamental que nos perguntemos se é de interesse de uma sociedade saudável que tais questionamentos sejam eliminados do debate. Nancy Pelosi também já questionou a lisura das eleições, e seu tweet de 2017 continua lá, digno de respeito e exposição. Aliás, ela não questiona se as eleições foram limpas, ela afirma que não foram: “Nossa eleição foi sequestrada. Não existe dúvida. O Congresso tem a obrigação de proteger a democracia e seguir os fatos”.

Pelosi ainda colocou as frases como hashtags, para que virassem slogans e tópicos de discussão. Essa ambiguidade de critérios, essa subjetividade da justiça executada pelas empresas que controlam as redes sociais, tem o poder de matar a democracia sem usar nenhuma arma de fogo. O próprio Twitter parece concordar com a minha afirmação. Sem nenhuma vergonha ou contemplação no espelho, o Twitter publicou algo que deveria chocar qualquer pessoa com o mínimo de honestidade intelectual. Traduzo aqui e posto a foto do tweet para o caso de o Twitter deletar a si mesmo: “Pouco antes da eleição na Uganda, estamos ouvindo relatos de que provedores de internet estão recebendo a ordem de bloquear plataformas sociais e apps de mensagem. Nós condenamos com veemência esse fechamento da internet –isso é extremamente prejudicial, viola direitos humanos básicos e os princípios da internet aberta”.

A premiê alemã, Angela Merkel, e o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, ambos críticos contumazes das políticas de Donald Trump, manifestaram-se contra a decisão do Twitter.

Merkel soltou uma nota por meio do seu porta-voz, repetindo a mesma expressão várias vezes para os ruins-de-ouvido: “O direito fundamental à liberdade de opinião é um direito fundamental de importância elementar, e esse direito fundamental pode sofrer interferência, mas através da lei e dentro da estrutura definida pela legislação, não de acordo com a decisão de gerentes de plataformas sociais”.

Obrador também questionou a lógica de se aceitar decisões tão fundamentais de algumas poucas empresas privadas: Isso é “um mal sinal, um mal presságio de que empresas particulares decidem silenciar, censurar. Isso vai contra a liberdade”. Está se criando, ele diz, “um governo mundial, com o poder de controle sobre as redes sociais, um poder midiático mundial, um tribunal de censura, como a santa inquisição, para o manejo da opinião publica. Isso é gravíssimo”.

Eu também fui temporariamente suspensa do Twitter, mas por uma razão muito mais mundana, uma reclamação pessoal acatada em menos de 3 horas, onde eu não usei um palavrão nem fiz qualquer acusação criminosa. Isso ilustra outro tipo de ditadura da qual ainda vamos sofrer bastante: o poder dos covardes e dos que se sentem mais ofendidos. Como na peça de Arthur Miller sobre a caça às bruxas em Salem (The Crucible), vence a disputa quem se fingir de vítima e conseguir simular mais dor. Contarei essa história na semana que vem.

Termino este artigo falando da psicologia –já bastante conhecida– dessas armadilhas sociais que estamos armando para nós mesmos. Os experimentos do psicólogo Solomon Asch demonstram de forma inquestionável uma tendência humana à conformidade. E ela pode chegar a níveis em que o indivíduo nega até o que viu para não destoar do resto do grupo. Aqui é possível ver o teste do elevador, no qual um indivíduo participando inocentemente do teste, ao notar que todos os outros passageiros estão virados para o fundo do elevador, se vira ele também para aquele lado, se submetendo à maioria sem que ela precisasse lhe exigir nada. Neste outro experimento, um participante se recusa a enxergar o que viu, e mente até para si mesmo diante da opinião errada –e unânime– dos outros participantes.

Não é só o desejo de conformidade e a fraqueza de espírito que provocam submissão. Sentimentos menos ignavos também orientam essa propensão –a empatia, por exemplo. Escritores de ficção aprendem que contar o que aconteceu nem sempre é suficiente para causar emoção –é preciso contar como alguém se sentiu com o que aconteceu. Por isso jornalistas na TV pedem para que testemunhas de tragédias descrevam o que sentiram. Não basta ver Brumadinho sendo soterrada –é preciso ver outras pessoas vendo Brumadinho ser soterrada. As risadas em programas de comédia existem não apenas porque sinalizam o humor, mas porque o ampliam.

Quero deixar aqui uma reflexão: o que vocês acham que vai acontecer quando pessoas que já habitam um mundo ideológico uniforme forem privadas de outras opiniões? O que vai acontecer quando defensores de Bolsonaro, por exemplo, quase todos já confinados em grupos do Telegram onde milhares de participantes se confirmam e reforçam suas visões de mundo, não tiverem mais acesso ao contraponto? Como podemos aceitar, ou até apoiar efusivamente, o conluio corporativo contra qualquer lado do espectro ideológico? Não concordo em quase nada com Donald Trump, e o considero uma das maiores tragédias a acontecer nos Estados Unidos, um híbrido semi-humano personificando luta de mulher pelada na gelatina com concurso pra ver quem come mais hambúrguer. Mas se você acredita que retirar Trump e seus seguidores da praça pública do debate vai eliminar suas ideias, ou mesmo enfraquecê-las, eu tenho uma linda estátua art-deco de Jesus Cristo pra vender pra você. O frete é grátis.

 

 

 

 

Por Paula Schmitt é jornalista, escritora e tem mestrado em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção “Eudemonia” e do de não-ficção “Spies”. Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos.