Opinião – Seu dinheiro é maravilhoso

Seu dinheiro não faz milagre, não evitou o déficit fiscal de R$ 230 bilhões em 2023, mas continua para jogo em 2024, e quando for preciso. Escreve Luís Ernesto Lacombe.


Opinião – Maior crise entre Brasil e Israel nos últimos tempos é culpa da boca enorme de Lula

Eu não gostaria de comparar com o governo anterior, mas, para dar outro exemplo, Lula está apoiando abertamente Vladimir Putin. Escreve Alexandre Garcia.


Opinião – O racismo antissemita de Lula saiu do armário: para a vergonha do Brasil

Lula achou que estava na hora de oficializar o seu antissemitismo perante mais uma plateia de ditaduras subdesenvolvidas da África. Escreve J.R. Guzzo.


Opinião – Persona non grata

O sujeito está a serviço de tudo que não presta, e contra tudo aquilo que presta. É um corrupto defensor de terroristas e tiranos! Escreve Rodrigo Constantino.


Opinião – Os desafios de Botelho na disputa do Alencastro

A estrutura que deverá ser colocada, o arco de alianças repetindo a disputa ao Governo e as bênçãos de Virginia, Botelho pode mesmo ser o próximo Prefeito de Cuiabá. Escreve Halisson Lasmar.


Opinião – O projeto de poder de quem se diz comunista e a arma da democracia contra a ditadura

Há um projeto de poder bem definido, que inclui penalizar todos os que pensam de forma diferente. Escreve Ives Gandra da Silva Martins.


Opinião – Câmaras de eco

O grande mal é que passam a se alimentar politicamente somente nas suas câmaras de eco, terminando por ignorar e repudiar toda a imprensa tradicional. Renato de Paiva Pereira.


Opinião – Fim do imbróglio

Essa escolha por certo, não deve ter sido tarefa fácil para o governador Mauro Mendes, assim como para seus pares, mesmo, se tratando de um grande estadista. Escreve Licio Antonio Malheiros.


Opinião – É Desespero que fala?

O Deputado Federal Abílio Brunini entra em modo desespero tentando tumultuar o processo eleitoral com a escolha do governador Mauro Mendes por Eduardo Botelho. Escreve Chica Melo Monte.


Opinião – O que podemos esperar da reforma tributária em 2024

A transição será gradual e deve valer a partir de 2026, com o aumento da alíquota do IBS e da CBS, e a redução as alíquotas de ICMS e ISS. Escreve Julio Moreira.